28 de ago de 2007

Cap 86: Coração partido

Trilha sonora da cena (ouça aqui!)

_É o seu tio Paulo. _ disse a recepcionista do hospital.

_O que aconteceu com ele? _ perguntei no cume da minha aflição.

_Ele sofreu um infarto, foi trazido para cá e precisou operar.

_Ele está bem? _ interrompi-a, odiava aquelas frases como se estivesse me preparando para algo pior, era insuportável.

_Está acordando da anestesia. Se quiser vê-lo...

Abaixei a cabeça e respirei aliviada, não suportaria receber nenhuma notícia de morte. Minha vida já incluía uma cota de perdas grande demais.

_Claro, vou para aí agora. _ levantei-me e anotei o endereço, enquanto caminhava em direção ao estacionamento.

***

Demorou para que eu pudesse conversar com ele, mas esperei toda a madrugada ali, sentada ao lado do seu leito. Infelizmente, acabei dormindo e só na manhã seguinte nos falamos.

_Oi... _ eu sorri e depois me estiquei, precisava espreguiçar, tinha dormido de mal jeito na cadeira.

_Dizem que vaso ruim não quebra... _ brincou.

_Que bom que, pelo menos, quando trinca tem conserto.

_Quem ainda precisa de mim? _ desdenhou ele.

_Eu. _ respondi prontamente.

_Nessas horas eu gostaria de ter filhos. _ confessou. _ Para que eles estivessem aqui ao lado da cama... Mas, é melhor que não os tenha, pois eles estariam com os olhos desesperados de quem vai perder alguém que ama, isso é duro.

_Você me tem, uma filha postiça. _ estiquei minha mão e apoiei no seu braço.

_É bom saber que deixei o que conquistei com você.

_E está dando um trabalhão para administrar.

_Eu me refiro, principalmente, a sabedoria que conquistei, um pouco dela pude passar a você. A sabedoria é o maior bem de uma pessoa, ela nos faz tomar as decisões certas. Isso é o que importa. Não adianta ter dinheiro se não se tem sabedoria.

_À duras penas, estou aprendendo isso.

Olhei para aquele homem de cabelos crespos, já grisalhos nos lados, e barba rala branca, contrastando com a cor de sua pele morena pelo sol. Ele modificara a minha vida de uma maneira radical, não suportaria perdê-lo para sempre. Era como se a qualquer momento eu pudesse pegar o rádio e chamá-lo para me socorrer.

_Nós ainda não tivemos a oportunidade de falarmos de você. _ observou. _ Agora que estou aqui no leito, pode falar. Se eu morrer, não corre o risco de eu contar a ninguém.

_Não tem problema, se você contar eu te mato mesmo assim. _ ri e ele riu também.

_Como vai seu namoro? _ perguntou.

_Bem. _ suspirei.

_Isso é o que você aprendeu a falar para todo mundo. _ comentou. _ Vou te dar mais uma chance e perguntar de novo. Como vai seu namoro?

_Bem complicado.

_Ah! Eu sabia que estava faltando o complemento.

Rimos juntos.

_A questão não é nós dois, sabe? Eu o amo e ele me ama. Isso é fato. O problema é que, ao se formar, Caio quer ir para longe, para o sul do país...

Tio Paulo deve, imediatamente, ter vislumbrado o quanto isso afetaria os seus negócios, pois eu poderia largar tudo.

_Essa é a mais difícil lição: amar uma pessoa junto com o seu mundo. Porque o amor não existe em estado puro, o amor real existe junto com tudo que o rodeia: problemas, família, trabalho... _ disse-me.

O que o tio entendia de amor? Será que ele já amara alguém? O mais próximo que eu sabia de um caso seu com uma mulher fora mesmo com Kelly, mas isso não me pareceu intenso o suficiente para lhe ensinar essas lições.

_Se eu não for, as comportas do mundo vão descer sobre mim e me aterrar. Todos vão pensar que eu não o amava de verdade, que o traí por fazê-lo acreditar que o seguiria e agora mudara de decisão...

_Isabela, a única pessoa que conta se vai pensar isso é o Caio.

_Não sei se pensará... pois ele ainda tem muito que aprender para evoluir, está tão empolgado com os rumos da própria carreira que não enxerga a minha, pois para ele parece fácil: “Não se preocupe, Bela, vamos morar sempre em capitais e nunca te faltará emprego”. Simples, não?

_Puxa, que barra hen? Vai um soro aí para você? _ ofereceu.

_Não, obrigada, eu odeio agulhas. _ ri e balancei a cabeça para os lados.

_Você quer largar tudo? Porque se quiser, precisa me dizer.

_Eu não quero.

Confessar aquilo de maneira tão firme me trouxe pela primeira vez um alívio. Eu podia falar com ele abertamente, sem ter que ouvir argumentações em favor de Caio. Nem mais com Débi, entorpecida com o próprio casamento, eu conseguia manter esse tipo de diálogo.

_"Eu não quero", três palavras que tem um poder de mudar tudo. _ comentou ele. _ Vejo que aprendeu a lição.

_ Mas, a lição não era eu saber o que eu queria? _ corrigi.

_Também. Mas tão importante quanto saber o que você quer é saber o que você não quer, pois já é um grande passo você distinguir aquilo que não gostaria para sua vida.

_Eu tenho um medo enorme de olhar lá para trás depois e ver que eu perdi um grande amor por causa do trabalho.

_O problema não é o trabalho, Isabela, mas um estilo de vida. Estilo esse que te faz feliz, que te faz realizada. E Caio não imaginava que era esse que você queria quando ele tem um outro a te oferecer. E esse outro você não quer.

_Eu poderia ir, meter a cara e experimentar, ver se gosto, por amor, como dizem...

_Mas, não é só no amor que se perde. Na vida, também. E se você deixar isso para trás, talvez não os tenha de novo.

_Eu sei, mas entre o estilo de vida e Caio, parece óbvio que a perda maior seria ele. Mas, tê-lo e ser incompleta me traria, da mesma maneira, infelicidade.

_Qualquer escolha que faça te provocará perdas. _ lembrou-me.

_Eu tenho meus amigos que amo, que me fazem sentir-me em um ninho acolhedor. Meus pais, tão velhos e cansados já, que, a qualquer momento, precisam de um apoio meu, seja financeiro, ou de atenção e afeto. Os funcionários da empresa, que cuido com tanta dedicação, percebendo a necessidade de cada um deles...

_Eles iriam aprender a viver sem você. Quem realmente precisa deles é você, Isabela. _ mostrou-me outro ângulo dos fatos.

_Exatamente, sou eu que não vivo sem eles ao meu redor. E eles são tão importantes quanto Caio. Não importa onde ele esteja, eu vou amá-lo.

_Mas, corre o risco de só amá-lo, amá-lo para todo o sempre. Só que não basta amor sem contato físico, sem correspondência. Ele pode encontrar outra.

_Nem me fale disso. _ abaixei a cabeça e a enterrei nas mãos. _ É muito cruel, não queria fazer essas escolhas.

_A vida só vale pelas escolhas que fazemos. Mas, não deixe de escutar o seu coração, ele está te dizendo o que você não quer. O coração de Caio é importante, mas e o seu?

_Já pensei e repensei nisso milhões de vezes. Eu estava conversando com uma colega que conheci na Internet, que também namora um militar. Falei para ela que não queria mais casar agora, que meu namorado não estava preparado... e ela me disse: “Posso te ser sincera? Você não o ama. Porque é tão egoísta que não quer crescer junto com ele.” Foi tão cruel ouvir isso.

_Um cego não precisa de outro cego para guiá-lo.

_O senhor tem um infarto e é o meu coração que está quebrado.

Sorri, com olhos marejados de lágrimas.

***

À noite, sentei em frente ao meu computador e comecei a escrever no meu blog:

"Que vai ser de mim, uma flor seca ao solo, desligada do tronco, sem seiva, sem luz, relegada a vida? Quem vai curar o meu coração partido? E se você se vai, que serei eu, amputada de um pedaço da alma que vai levar. Depois de você não há nada. Quem vai me amar o corpo e me fará ver as estrelas de olhos fechados? Não se vá sem meus carinhos, não aceite de outra o que eu aprendi a te dar com devoção. Estou entre você e eu e não posso escolher os dois.

Você abraça a bandeira, a sua farda a sua missão e deixa seu rastro para eu seguir, mas eu não quero caminhar na tua sombra, você sabe que no mais profundo de minha alma há a dor do que me pedes. Quem me vai cobrir nas noites que fizer frio, quem vai me cuidar, quando você partir?

Não vai, meu amor, não sem mim. Você entrou na minha vida como uma tinta que entranha na carne e não adianta esfregar, você não sai, está aqui em mim, da cabeça às entranhas. Por que me quis para agora me pedir um preço tão alto? Por que me escolheu para ser sua, por que me deu esta missão, que jogo é esse, diga-me?"


Meu telefone do quarto tocou, parei de escrever para atender. Era Caio:

_Amor, as vagas saíram. _ disse-me ele.

Eu preferia que a frase fosse: “Eu fiquei punido esse fim de semana”, “Estou preso no próximo”, “Eu não vou poder sair no feriado”...

_E? _ perguntei, apoiando minhas mãos na escrivaninha, onde ficava o telefone, abaixei a cabeça, me preparando para a notícia.

Fechei os olhos.

Autora: Li



*Blog da Bela e da Débi

* Comunidade do livro no orkut!

O livro ganhou o troféu "The Best!" do mês, no site A Gazeta dos Blogueiros!

6 comentários:

Li disse...

Olá, leitoras amadas!!!

Para quem já está com saudade da Bela e do Caio, calmmmaa. rsrs.

Prometo que vocês terão sempre uma linda estória para acompanhar.

Assim como aprenderam a gostar desses dois, vão se encantar com...

Hummm não posso falar os nomes ainda, rs.

Não percam a última semana do livro da Bela!

Beijos!!!

Amooo vcs!!!

aninha disse...

pra onde o caio vai ser mandado!!! sei lá cara... fico na dúvida... por um lado a bela tem que seguir a vida dela e de outro largar o amor tão duramente conquistado... dificil demais!!!!

aninha disse...

mas eis que eu me lembrei de alguém que a bela pode pedir um help.. a super Luma!!!! tenho certeza que ela é a pessoa ideal pra ajudar a bela nesse momento!!!! (sem desmerecer as demais leitoras, mas é que a história da luma eu acompanhei ano passado pelo blog, por isso citei ela, ok ???!!!) bjus a todas!!!

mellzinhaaa disse...

"_Amor, as vagas saíram."
aii.. tenho um certo medo dessa frase! =/
serah q o caio vem para o sul?
se ele vier, vou ter q arrumar um jeito de conhece-lo pessoalmente.
sou a fã nº 1 dele =)

Li disse...

Para onde hen????

(risos)

Bem verdade. Mas e a Bela? O que ela deve fazer?

Beijinhos!

Lucy disse...

eita... eu... acho melhor ficar kietinha. (-_-)'

tá emocionante... meu corçaão tá batendo mto forte, graças a Deus eu só estou lendo tudo agora (o último que tem postado é o 88, já já chego nele)... senão... eu amarraria a Eli e torturaria até que ela me dissesse o resto da estória... =X

desculpa, gente... mas é difícil falar algo agora... vamos deixar que a estória prossiga...

bjinhos...