14 de ago de 2007

Cap 72: Dando uma de cupido

Débi e eu ficamos mais que amigas. O fato de, em alguns fins de semana, não termos nossos namorados nos permitia curtir um bom filme com pipoca de microondas sem depressão, pois sabíamos que não estávamos sozinhas, que a outra passava o mesmo e nos entendia.

Mesmo quando não estava comigo, eu procurava apoio nas amigas na internet que, de algum lugar do país, me falavam sobre a distância, a saudade e a força que estavam arrancando de si para superar o tempo afastados. Elas mal sabiam o quanto eram importante para mim, como talvez eu nem calculasse que também era vital para a vida delas.

Mas, a minha vida nem sempre podia se restringir a isso porque havia meu círculo social aqui do lado de fora. Principalmente na faculdade, onde eu também fizera meu grupo de amigos. Com eles, o sistema era diferente. Eu evitava falar de Caio. No início, eu procurava explicar como era nossa relação de uma maneira didática para que eles fossem capazes de compreender sem nos julgar loucos. Mas era inútil, sempre surgiam aquelas perguntas sobre ciúme, traição, desconfiança... Por fim, preferi adotar outra tática: falar menos da minha vida pessoal para eles. Para todos os efeitos, era como se eu não tivesse vida amorosa. Bater de frente só iria me desgastar mais.

Também não poderia julgá-los as pessoas mais insensíveis do mundo, afinal, eles não estavam na minha pele e não sabiam o que era, de verdade, o significado das minhas palavras. Só se sabe quando se está ali, vendo o ônibus partir da rodoviária, ligando de orelhão no meio da chuva ou ficando muito feliz por causa de um e-mail ou scrap recebido de última hora. Só se pode entrar de cabeça no sentido de um amor à distância quando você é um dos personagens da história.

E, se eles estavam longe de atingir isso, eu tentaria viver aquilo sozinha sem ter que exigir o apoio de ninguém. Mas, o fato de adotar esta postura não implicaria me distanciar deles, não queria que meu namoro fosse pivô da minha exclusão social. Até porque Caio sempre reforçava isso, que era importante eu não me isolar. Tarefa essa um pouquinho difícil em algumas situações. Por exemplo, quando os meus amigos saiam em casais, eu não gostava de ir para segurar vela e ficar vendo-os se beijarem. Ou, quando Caio vinha para cá, eu tentava aproveitar todo o tempo só com ele. Mas, fora dessas duas situações, eu tentava me manter integrada.

Aos poucos, ganhei a confiança de algumas pessoas. Uma delas foi a Penélope. Claro que seu nome não era esse, e sim, um apelido que lhe pusemos por causa de seu look sempre tão chique, nos remetia à personagem do desenho.

Digo “conquistar confiança” porque ela, essa manhã, veio me contar um segredo e me pedir uma ajudinha.

_ Eu estou gostando do irmão da Bárbara. Eu fui a um churrasco na casa deles e fiquei maluca por ele.

_Ora, pede ajuda a ela. A Bárbara é tão legal.

_Eu já pedi, mas ela não quis. Disse que ele estava ligado em outra...

_Em outra garota?

_Não sei, ela foi vaga.

_Ele é gay?

_Acho que não. _ ela riu._ Mas não posso contar muito com o apoio dela. Sei lá, você é tão resolvida, podia me dar uma mãozinha.

_Eu? _ apontei para o meu próprio peito. _ Eu nem conheço ele!

_Ah! Isso é fácil. O churrasco da turma vai ser na casa dela, podemos ir e, lá, você conhece ele e põe esse gatinho na minha.

_Eu não sei se sou boa de cupido. _ comentei. _ Mas, posso tentar. Tenho que primeiro conhecer o dito cujo.

Autora: Li



*Blog da Bela e da Débi

* Comunidade do livro no orkut!

O livro ganhou o troféu "The Best!" do mês, no site A Gazeta dos Blogueiros!

4 comentários:

mell disse...

primeiraaaaaaaaa \o/ \o/
gosto tanto quando a bela fala diretamente do caio, hj ela naum falou :/
mas tipow.. como jah falei mil vezes... eu me identifico mtoooo² com a bela!
sem noçaoooo!!!!

beijo, beijooo =*

Lucy disse...

É... chega uma hora que cansa dar tantas explicações pra quem não quer ouvir, só criticar e tentar derrubar o seu castelo encantado, só porque essas pessoas não conseguiram construir o delas.

Cara... por que eu estou sentindo que essa de tentar ser cupido vai dar problema? Ihhh...

\o/ :***

Tita disse...

hehe eu tb acho a mesma coisa que a lucy aí em cima.. Será que ele tá afim da Bela?!?! hehehe
Ahh os amigos fazem toda a diferença! É mto difícil ficar longe do amor e sem amigos ainda! Que bom que ela tá fazendo amizades =)
Beijoo

Li disse...

Hummm.... Quem será esse tal gatinho?
Diz aí autora.
Ops... Sou eu! rsrs.
Lindas, saudades de vcs, estou trabalhando muito.
Um beijão da Li