11 de ago de 2007

Cap 69: Uma mulher desafiante

Quando chegamos da pizzaria, cruzei com minha sogra no corredor do apartamento. Ela me seguiu até o quarto onde eu dormiria e me mostrou que a cama já estava arrumada para mim.

_Obrigada, não precisava se preocupar. _ disse, ainda sem reconhecê-la, eu não estava muito acostumada com suas gentilezas.

_Amanhã nós iremos a uma festa, não sei se o Caio lhe falou. É o aniversário do amigo do pai dele. Mas é só à noite...

_Festa? _ levantei a sobrancelha. _Se eu soubesse tinha trazido uma roupa mais formal.

_Deixa eu pensar como posso resolver isso... Talvez a Monique aqui do lado tenha uma que caiba em você.

_Monique? _ repeti. _Quem é ela.

_Uma amiga do Caio desde o Colégio Militar lá de Brasília.

_Amiga? _ eu pronunciei para mim baixinha. _ Não sei quem é. Eu nunca ouvi falar dela.

_Amanhã apresento vocês duas.

_Ah, tá...

Minha cara de desconforto deveria estar muito evidente, pois assim que Caio entrou no quarto, perguntou o que estávamos tramando.

_Nós? Nada! _ a mãe dele lhe deu um beijo na testa. _Boa noite para vocês.

_Boa noite. _ respondemos juntos.

_Caio? _chamei-o para sentar ao meu lado na cama. _ Quem é Monique?

_É minha vizinha. Por que a pergunta?

_Nada demais... Sua mãe disse que ela pode me emprestar um vestido para a festa de amanhã.

_Ah! Sim, eu ia lhe falar sobre isso. Esqueci. Se não quiser ir...

_Por mim tudo bem.

_Ótimo. _ ele deu-me um beijo nos lábios. _ Posso dormir com você aqui hoje?

_Pode. _ sorri maliciosa. _ Claro que não né?! Caio, se comporta, tá?

_Tudo bem. _ levantou as mãos no ar. _ Vou beber água, você quer? O tempo está super seco.

_Quero.

_Vem comigo até a cozinha?

_Tá. _ levantei-me inocentemente, sem desconfiar das suas reais intenções.

Ele conferiu se a porta do quarto dos pés estava fechada.

Bebi água enquanto ele me olhava com um sorriso lindo, de lábios vermelhos e molhados. Li seus olhos, eles sempre flamejavam quando me querem.

_Você está tão linda. _ tirou o meu cabelo do rosto.

Sorri e abaixei a cabeça. Sua boca se encontrou com a minha. Deixei o copo em cima da pia e fiz carinho com as mãos na sua nuca.

_Sabia que aqui também tem um quartinho de empregadas? _ me puxou pela mão.

_Não, Caio, alguém pode acordar. Eu não quero perder a confiança da sua mãe.

_Bela, nem parece a garota destemida que eu conheço!

_Lindo, eu prefiro hoje ser a garota muito medrosa, ok?

_Hum... Assim fica ainda melhor, adoro garotinhas medrosas e tímidas... _ beijou meu pescoço e eu esbarrei em uma toalha pendurada no fio da corda do varal que havia na área de serviço e ouvimos o barulho de guizos.

_Que isso? _ assustei-me.

_É o barulho dos cristais que minha mãe pendurou na corda, olha lá. A corda fez eles balançarem. _ acalmou-me.

_Ai, será que alguém ouviu? _ perguntei.

_Ninguém ouviu nada, amor. _ manteve-me envolta em seus braços para eu não ter chance de escapar.

_Caio, deixa eu te explicar, porque você não está entendendo.

_Belinha, deixa eu te explicar, eu te amo...

_ Eu também te amo, mas Caio...

Ele me puxou para dentro do quarto de empregadas, que não era como o lá de casa, um depósito de trecos minúsculo. Mas um quarto com uma cama de solteiro e um banheiro. Arrumado com simplicidade, mas muita limpeza.

_Nós já estamos treinados. _ riu perto do meu ouvido, depois de fechar a porta. _ Eu não vou fazer nada que não queira... _ levantou os braços e pôs na nuca.

Eu cocei a minha testa e sorri timidamente.

_Você é louco, né?

_Eu posso te jurar que você não vai esquecer disso daqui uns anos...

_Nem precisa jurar. _ tirei as mãos da cintura e me aproximei.

Caio tinha esse jeito de conseguir me meter dentro dos seus planos e me convencer de que tudo estava sob seu controle.

Ele pegou meu rosto com as duas mãos e me beijou.

***

A festa de aniversário aconteceu na forma de um baile no clube militar. Caio e eu sentamos junto com seus pais em uma mesa de doze lugares, dividindo o espaço com a família da dita Monique.

Aliás, eu tive a oportunidade de conhecer a figurinha na tarde de hoje. Era morena, de cabelos lisos e traços orientais. Seu pai ficava ao seu lado a todo tempo como um guardião.

_Você é de onde? _ perguntou o homem, querendo levantar um assunto.

_Do Rio de Janeiro. Eles se conheceram na escola quando Caio estudava lá. _ minha sogra respondeu antes de mim.

_Carioca é?

_É. _ eu disse, sorrindo.

_Já está preparada para a ... _ fez um ar de piada.

_Selva? _ respondi antes dele.

_ ... _ ele ficou com a boca entreaberta e os olhos brilhando, como se acabasse de entrar em um desafio verbal.

_Lá tem muitas índias, hen? _ levantou a taça em minha direção, antes de beber um gole de vinho branco. _ Tome cuidado com elas.

_São elas que tem que ter cuidado comigo... _ inclinei-me mais em sua direção. _ Porque eu sou bem mais perigosa. _ sorri, pisquei o olho e levantei também minha taça de vinho.

Olhei para todos ao meu redor petrificados, como se eu tivesse dado “stop” com o controle remoto. Ops! Acho que eles estavam esperando uma menininha boba e ingênua. Ai, lamentei tanto aquele desapontamento...

Agüentei-me para não rir.

_ Vamos dançar, amor? _ perguntei, oferecendo-lhe a mão.

_O que você quis dizer com aquilo? Você ser perigosa com... _ Caio veio falando atrás de mim baixinho.

Eu sorri e o envolvi com meus braços ao redor do seu pescoço.

_Eu quis dizer que comigo não se brinca.

_Você me dá medo. _ ele balançou a cabeça para os lados e me abraçou.

_Não se preocupe, lindo, com você eu sou bem inofensiva. _ disse em seu ouvido. _ A menos que me provoque.

_Que excitante. _ riu, girando e inclinando-me para trás. Depois, me trouxe rapidamente para perto do seu rosto. _ Nem parecia aquela garotinha com medo ontem à noite.

_Já pensou se eu fosse uma mulher só? Você enjoaria rapidinho.

_E quantas ainda têm aí?

_Você que tem que descobrir.

_E qual está aqui agora?

_Depende de para onde você vai levá-la.

_Você está muito desafiadora, essa noite, my lady. _ dançou abraçadinho para esconder sua avantajada alegria com nossa conversinha...

Autora: Li



*Blog da Bela e da Débi

* Comunidade do livro no orkut!

O livro ganhou o troféu "The Best!" do mês, no site A Gazeta dos Blogueiros!

7 comentários:

Li disse...

Oi, meninas!
Antes que perguntem, retirei as imagens das fotos, porque tive uns probleminas no lay e precisei refazer.

Aliás... O novo livro que vai vindo, já está no forno. Nãooo vou contar, se abrir sola! hahahah

Mas seguirá o mesmo tema!

Mas não se preocupem, ainda faltam 20 capítulos para vocês ficarem com a Bela, não perca, a reta final tá quentíssima!!!!!!!!!

Beijoos da Li que AMAAAAA cada uma de vocês e guarda no coração com muito conforto!!! rsrs.

Tita disse...

Ahh a Bela tá mandando respostas boas cada vez mais hein?! uahuahau mto engraçada a parte do "avantajada alegria com nossa conversinha".
20? Ahh eu pensei que era menos, ainda bem!!
Beijooo!

ana disse...

huuuuuummmmmmm!!!!! a Bela está atrevidinha!!!! acho o máximo esse tipo de mulher leoa!!! nota 10 pra ela!!!!!!!

mell disse...

bom.. ontem tentei comentar no capitulo 68, mas naum consegui! tentei umas 68 vezes eu acho ¬¬
entao antes de eu falar do capitulo de hj, deixa eu falar do de ontem! heheheheh

me identifiquei mto com a belinha... "Ele resumiu para mim sua agonia, quando fomos embora horas depois: seus amigos são fúteis..." ou melhor... "suas amigas sao futeis"
sabe q q eu faço... bem igual a bela!
quando ele tah aqui, saimos com nossos amigos em comum, quando ele naum estah, saiu com as minhas 'amigas futeis'
assim tudo fica bem!
heeheheheh

agora deixa eu falar do capitulo de hj... eu adoro essas respostas q a bela tem, sempre na ponta da lingua!
hashuahsuuasuahhauahs

(ctrl+c antes de postar o comentario! hehehe)

mell disse...

conseguiiiiiiiiiiiiiiiiiiii \o/ \o/ \o/

beijo lii =*

mell disse...

conseguiiiiiiiiiiiiiiiiiiii \o/ \o/ \o/

beijo lii =*

Anônimo disse...

Uau!!! Adorei essa força toda que ela demonstra!!! \o/ Tem que ser assim pra ninguém ficar querendo meter medo na gente! Tem pessoas por aih que vão tentar nos fazer parecer fracas, medrosas, despreparadas... mas, mesmo com despreparo temos de encarar os desafios.

Na sexta passada, conheci uma senhora na rodoviária, enquanto esperava meu amor chegar, e ficamos conversando um tempão. Apesar da mão calejada do seu trabalho (na idade de 75 anos, ela é construtora! Sim, construtora!), a senhora fala inglês, casou com um italiano e criou 4 filhos sozinha, pois o marido faleceu quando eles ainda eram crianças. Durante a conversa, eu disse que não me sentia preparada para construir uma família e ela disse-me, sem gaguejar (e em outras palavras), que nós nunca estamos preparadas para nada. Temos que encarar os desafios porque vivendo que se aprende! \o/