4 de jun de 2007

Capítulo 21: Sem singularidade

Trilha sonora da cena (clique aqui)

_Olhá só quem está chegando lá embaixo?_ meu irmão da janela do apartamento anunciou.

_Quem? _ perguntei, sem me mexer do sofá. Continuei mastigando meu biscoito waffer de chocolate com recheio de baunilha. Quem poderia ser àquela hora da tarde?

_O cara do carrão que você tá saindo.

_Gustavo? _ levantei num pulo e os farelos que estavam caídos na minha blusa voaram pelos ares. Segurei para não sorri, quando o visse. Céus, será que estava com os dentes todos sujos de biscoito?

_Pode mandar ele subir. _ eu falei para o meu irmão Roberto. _Não! _balancei as mãos no ar. _Eu estou horrível! _ dei uns passinhos pela sala, perdida. _ Fala para o porteiro pedir para ele esperar lá embaixo que eu vou tirar essa roupa e tentar arrumar o meu cabelo!

_Ai, as mulheres! _ ele desceu da cadeira em que estava ajoelhado e revirou os olhos. _ Vocês namoram os inteligentes e legais e casam com os ricos e babacas.

_Hei! Que papo é esse? O Gustavo é superlegal!

_É eu estou vendo, ele é superlegal com direção hidráulica e teto solar. Sei.

_Ai, Betinho, vê se pega esse interfone logo?! Eu não sou igual a você que tem um sifrãozinho como sinapse ligando um neurônio no outro.

_Sina o quê? _ ele fez uma careta. _Isso é de comer?

_Arggghhhhiii! _ grunhi e corri para o meu quarto, já no corredor ouvi o trim do interfone tocar e meu irmão atender com o “oi” mais enfadonho que poderia conseguir.

_Aiii, eu to horrível! _ me olhei no espelho do quarto e percebi que não daria tempo de uma sessão de beleza em tempo recorde. Vesti uma bermuda jeans e uma outra blusa que não estivesse tão amassada que mostrasse que eu acordara com ela.

Penteei meu cabelo e por mais que ele estivesse liso, parecia muito rebelde. Nada como um coque e pronto, ele estava domado pelo prendedor. Agora uma aguinha na cara e uma escovada básica nos dentes. Hufa! Será que ele já estava bufando lá embaixo?

Corri e peguei o elevador. Respirei fundo e tentei parecer o mais natural e displicente quando a porta abriu-se:

_Oi. _ disse. _ Não te esperava... Você não avisou...
_Era só para conferir se você era bonita ao natural mesmo... _ ele me deu dois beijinhos na bochecha e depois um beijo na boca.

Céus, será que ele sentiu muito forte o gosto de pasta de dente na minha língua e seu deu conta de que eu só escovara os dentes porque ele chegara? Que agonia esses pensamentos de síndrome da verificação me perseguindo!

_Mas pelo que estou vendo você é tão linda como nas fotos, só precisou de um rápido retoque... _ ele segurou o riso, o que me fez ficar muito séria e temerosa. _ Seu irmão é muito divertido...

_Meu irmão? _ eu perguntei aquilo entre os dentes.

_É... _ deu uma gargalhada. _ Ele disse que você estava tirando a fantasia de Fiona para eu não me assustar. _ se agüentou e tentou ficar sério, vendo que eu não achara a menor graça, tamanho o meu constrangimento.

Eu que eu fiz contra o meu irmão?! Argggghhhiiii

_Tudo bem, se você veio debochar de mim, acho que tinha muita coisa melhor a fazer nessa hora... _ falei tão fria e gélida, que ele percebeu na hora que ainda não tinha intimidade suficiente para eu aceitar suas brincadeiras com bom humor e complacência. Isso requer anos e não alguns dias e uns beijos na boca.

_Desculpe, eu só estava achando divertido... Tá, tudo bem... Eu vou falar de coisa séria, então. _ ele respirou fundo e em questão de segundos era o “profissional” da categoria “estritamente profissional”. _ Eu tenho um amigo da faculdade que toca numa banda que está crescendo muito. Eles estão animando festas, bailes, enfim, arrasando mesmo.

Hum, então, que lindo, ele viera ali para me chamar para uma das apresentações daquela banda? Eu mal podia esperar conhecer gente nova e...

_E eles querem fazer um clipe para enviar para um concurso de bandas. A coisa vai ser dentro dos limites, nada assim envolvendo muita verba, porque você sabe que os patrocínios são poucos. Aliás, o patrocínio deles é de uma loja de som do tio de um deles, que eles até estavam pensando em colocar no clipe para dar uma moral e...

_E eu? Onde entro nessa história? _ perguntei, no melhor tom “estritamente profissional”, vendo que não viera ali para propor nada pessoal e sim que tivesse que passar por um talão de cheques.

Eu tinha, às vezes, que dar uma cortada em Gustavo, senão ele alongaria a parte introdutória até a noite.

_Eles são uma banda de homens, mas tem músicas românticas... Por isso, eles pensaram em fazer um clipe do estilo filminho. Eu já fiz algumas participações em equipes de documentário e tenho uma boa noção. Já até comecei a rascunhar o roteiro.

_Ãnh...? E...

_E queria saber se você gostaria de estar dentro, fazendo o papel da garota da música. É um som bem pesado, mas ao mesmo tempo pop...

_O que eu faria nas cenas?

_Ah! Teria que colocar um look branco com preto, um bom lápis preto... Enfim, eles queriam uma garota loira.

Observe vocês que ele deu um périplo em todos os continentes para arrematar seu ponto crucial “eles querem uma garota loira”.

_Eles querem uma Avril Lavigne? _ cruzei os braços, chegando ainda mais perto da subjetividade daquela idéia._ E ela seria eu?

_Entenda, querida. _ ele me segurou delicadamente com as mãos nos meus cotovelos. _ É o mercado e o mercado meio que quer o que vende... Dá para entender?

_Eu vendo? _ perguntei.

_Não pense mal, pela sua cara você deve estar achando que eu sou um mega monstro capitalista, mas é que eu sei separar muito bem quando apertar o botão de “Gustavo pessoal” e “Gustavo agente”.

_Você é meu agente? _ franzi a testa.

_Claro que não. Isto é uma suposição, minha linda.

Eu sentei no banco de madeira que havia na entrada do meu prédio. Olhei diretamente para frente, vendo a claridade entrar pelo portão e refletir as plantas no piso de porcelanato branco.

Gustavo parecia muito agoniado com meu silêncio. Não sabia ainda como lidar comigo, estava acostumado com gente que tem uma calculadora no bolso para medir quanto vale sua imagem/hora.

_Eu pensei que você tivesse vindo aqui por mim... _ virei e o olhei ressentida.

_Mas eu vim! É que eu estou tão empolgado com essa idéia que não me contive...

_Tudo bem. _ olhei para frente, não queria encará-lo.

_E aí, você topa? _ perguntou.

_Topo. _ respondi friamente. _ Quanto eu vou ganhar? _ falei a língua dele.

_Eu vou acertar isso com eles hoje e as filmagens têm que ser o mais rápido possível.

_Tudo bem. _ levantei-me e ofereci minha mão para apertar.

_Que isso? _ ele sorriu e balançou a cabeça levemente para os lados sem nada entender.

_Ora, é o selo informal do contrato.

_Que isso, Bela. _ pronunciou meu nome pela primeira vez desde que chegara. _ Entre nós não é assim né? _ chegou mais perto para um beijo.

_Ah! Entendi, agora você apertou o botão do “Gustavo pessoal?” _ perguntei irônica. _ Agora eu peço desculpas, ao contrário de você, eu não tenho botões. Meu sistema funciona de maneira única. Não tenho nenhum logoff. _ fui até o elevador e fiz sinal para subir.

_Hei. Você já vai embora, mas eu também queria propor que a gente desse uma volta, olha eu estou de carro e... _ a voz dele foi cortada pelo elevador que fechava a porta.

_Me liga para marcar a hora, ok? _ pisquei o olho e ele sumiu atrás das chapas de ferro da porta que se encontraram.

Ri. Eu acabava de fazê-lo de idiota. Minha relação com Gustavo eu descobriria que viraria um joguinho. Ele começou a se dar conta disso antes de mim.

Já entrei no meu apartamento com Roberto dizendo que me celular estava tocando. Atendi.

_Hum.
_Bela, por que você faz isso comigo? _ Gustavo parecia um tanto irritado.
_Você não gosta do que é fácil, eu te dou o que você quer: “dificuldade”. _ respondi com a voz lasciva.
_Você não vai me dominar assim, hen?
_Ah! Não? _ ri.
_Droga, garota! _ suspirou._Eu ainda te pego de jeito e te dou uma lição.
_Mesmo? Estou louca para ver.
_Tudo bem, você venceu, vou embora. Te ligo depois.
_Bye bye, “querido”. _imitei seu jeito de me tratar quando estava no botão “Gustavo profissional”.


***

Eu precisava fazer coisas diferentes em minha vida. Aquela rotina sempre igual de escola sem sal já tinha me enchido. Eu queria ter novas experiências, fazer coisas por que me lembrar ou arrepender. Não iria deixar essa escapar. Fazer um clipe poderia ser interessante, ganhar uma grana e ver qual era a de Gustavo mesmo. Mas essa missão requeria uma estratégia. ”Missão”, fazia tempo que não ouvia essa palavra, e nem mesmo era parte do meu vocabulário corrente, mas alguns atos falhos destes me lembravam ao quê, melhor a quem, eu ainda no fundo estava ligada.

Liguei para minha amiga roqueira Dafini e perguntei se ela não poderia me ajudar a fazer um look ao nível do que os caras da banda esperavam.

_Você vai a alguma festa a fantasia? _ estranhou, e realmente aquele pedido não lhe pareceria nunca trivial. Uma garota que veste rosa não costuma trocar figurinhas com alguém que tem todo o guarda-roupa de uma funerária.

Expliquei-lhe minhas necessidades e ela completou com um longo:

_Ahhhh!
_Então? Tem algo que serviria para mim?
_Acho que sim. _ respondeu.

Pois bem, Dafini foi minha personal style por um dia e eu parecia saída de uma consultoria com o “esquadrão da moda”, quando cheguei até a enorme construção de uma casa antiga, onde seriam gravadas as cenas.

Senti o silêncio de todos, ao cheguar até o pátio de grandes lajotas de pedras.

_Oi, eu sou a Bela. O Gustavo deve ter falado de mim... Ele está por aí?

_Gustavo, vem ver quem chegou? _ berrou um cara gordo, barbado e que não desviou os olhos de mim, parecia muito impressionado.

_Oi, Bela. _ Gustavo apareceu e me abraçou, sem beijos, sem lado pessoal... _Nossa, você está perfeita...!

_Ok! Depois disso me leve para casa, eu não quero ser reconhecida na rua assim! _ ri.

Eu estava vestida com uma calça larga, botas, uma corrente de anéis presa na cintura. Uma camiseta branca com um sutiã preto. Eu jurei para Dafini que não tinha nada a ver o sutiã preto, mas ela disse para eu calar a boca e usar. A maquiagem não tinha nada mais que um gloss na boca e um bom rímel e lápis preto no olho. E claro, uma devida escova que fez meu cabelo parecer micro fios de aço de tão retos que estavam.

Nunca pensei que pudesse ser tão engenhosa aquela manobra de filmar meu rosto por todos os ângulos. Menos ainda achei que teria sentido olhar para o nada, caminhar por cima de muros, sentar em telhado. Eu, porém, nem ousei contestar a lógica cinematográfica de Gustavo, pois ele falava com tanta propriedade, que todos ali respeitavam seus comandos e trabalhavam para que aquilo terminasse rápido.

No fim do dia, ele cumpriu sua parte e me levou até em casa.

_Você sabia que vestida assim me faz pensar em umas coisas... _ me puxou para ele, quando fiz menção a entrar.

_É? _ sorri e envolvi seu pescoço com meus braços.

_Bela, você esteve perfeita hoje. Você a cada dia supera minhas expectativas._ me suspendeu no ar e me girou.

_Tá louco? _ dei uma risada.

_Hum-hum. _ ele me parou no chão e me encostou no seu carro. Seu beijo quente e envolvente me fez esquecer nossos lances contratuais. _ Posso te ver amanhã?

_Vai ter outro trabalho amanhã?

_Juro que não! _ apontou com os dedos para a testa em sinal de escoteiro.

_Hum, duvido... _ beijei-lhe mais uma vez.

Quando me atirei na minha cama, exausta, analisei aquela situação toda. Não estava vivendo um romance, porque meu coração não ficava mexido como antes com... Caio. Mas eu viva intensamente. O verbo viver fazia sentido. Eu não estava em casa no msn, nem no orkut o dia inteiro giboiando e digerindo minha chata solidão. Eu estava curtindo novas situações.

Mas faz falta, sabe? Sempre faz falta sentir intensamente a noção de singularidade. Com Gustavo eu sei que não é singular, mesmo assim legal.



Nota1:Blog da Bela

-----***-----

--->Participe: Comunidade do livro no orkut!

9 comentários:

feriele disse...

poxa m,e vi agora..ela falando q ficava no msn e no orkut o dia td na solidão...nossa..ning merece essa sou eu..AUhaiuHAIhiah
fazer oq neh...amor militar eh assim..mais q faz falta o carro parar na frente da sua casa e o interfone tocar de surpresa faz... sair p fazer nd..tb... são tão poucos os dias juntos..tão programados..milimitrados.... q surpresas ficam p depois... fazer oq neh..rs..
bjs meninas...

li disse...

é fê, poderia copiar o seu comentário e assinar embaixo. ai que inveja da bela! não é?

mas será que ela não tem inveja de nós de ter um grande amor?

é para pensar...

beijoca, linda!

mell disse...

pouco antes de acabar de ler o texto ainda pensei: 'a bela ainda naum tocou no nome de caio hj' li mais duas linhas e ali estava CAIO... \o/
naum to indo com a cara desse gustavo ¬¬ mto 'chegadinho' pro meu gosto! rÃ
ahushushuauhsuhauhas

tah perfeito o livro li... =)
em mtos momentos me vejo na pele da belinha!
sei mto bem o pq dela estar com o gustavo... =/

Li disse...

hahahahahhah chegadinho.
mell vc me mata de rir, sempre adoro seus coments divertidos!!!!
hahahahahahhaha

e pq ela gosta? :p

beijuuuuuuuuuu

Anônimo disse...

a-há... é isso que ela precisava perceber: singularidade. É o algo especial... (-_-)' pena q a gente tem q passar por isso pra entender...

bjos, meninas e vamos ao próximo capítulo... :)

P.S.: tô de cama hoje, gripada até o talo... =P

Tita disse...

Oooie! Fiquei um tempinho sem vir aqui! Agora deletei o orkut tb. Mas eu apareço sempre!
Meninas do céu! Qdo eu leio ME dá saudade do Caio, como se estivesse no lugar da Bellinha! ahuahuaha como que pode!?
Ah e esse Gustavo parece bonzinho, mas... tem aquele "mas". Ahh não dá pra saber, acho que o a Bela tem que fazer é seguir o coração, mas sem se colocar em segundo lugar. Aí que tá o dilema.
auhauhauha!
Quero só ver o que vai acontecer!! =9

Li! Eu li sua resposta do comment lá no blog. Eu moro em Ponta Grossa, PR. Será que a gente se encontra nessas festas da AMAN?
=)
Beijocaa!

li disse...

quem sabe em tita? agora só me resta o aspirantado. o meu cunhado é do 2 ano. se o teu namo for tb... ai é certo q vou estar no aspirantado dele! beijocas!

ana paula disse...

oi Li!!!!! me vi agora ne pele da Belinha! o Gustavo não é exatamente um amor, mas é alguém que ta sendo bom pra vida dela... ai... ta lindo!rsrs!!

Nathy disse...

Ahhh cara, adoreiiii o capitulo de hj, a Bela tá se mostrando perfeita...

Apesar de o Gustavo parecer tudo de bom, ainda prefiro o Caio, hauaiaha!

Bjoos!!