21 de jun de 2007

Cap 36: O que todos sabem que eu não sei

_O que está pensando?_ Débi me olhou esperando que eu fizesse um vestido aparecer em sua frente por abiogênese, como uma fada madrinha faria, mas infelizmente eu não era dotada dessas capacidades.
_Você terá que ir com a calça jeans que veio na viagem. Ela está em bom estado.
_Mas, Bela, eu vou sair nas fotos de jeans? Que horror, e lá todos ficarão me olhando, vou me sentir super “out”!
_Não temos mais tempo, precisamos tomar essa decisão agora, ou então não pegaremos um bom lugar para vê-los lá._ apressei-lhe.
_Será o maior mico. _ ela cruzou os braços e balançou a cabeça para os lados.
Eu conhecia muito bem a minha amiga, ela não arredaria o pé dali. Eu não iria perder a chance única de ver meu namorado entrar, nem também a deixaria mofar naquela sala. Fui até o quarto, peguei a minha calça jeans que estava em cima da cama e a blusa que eu viera. Entrei no banheiro e com muito pesar tirei o meu vestido.
Enquanto me via nua no pequeno espelho, lembrei-me do acidente. Meu corpo desfalecido no chão, o sangue, a sala de operação, eu desacordada na maca. Tantas mudanças de estado de espírito, que eu estaria sendo muito pequena em deixar de curtir a vida por causa de um vestido. Ao tirá-lo, eu me despi da vaidade e da tentativa de querer ser melhor. Ali, ao contrário, eu precisava ser a menor para poder ajudar uma pessoa.
_Não, você não precisa fazer isso. _ ela riu de nervoso quando me viu, incrédula.
_Mas você precisa!_ joguei a sua calça jeans em cima de Débi.
_Bela, seu vestido é lindo.
_Débi, o Gustavo me ensinou que as pessoas bonitas não precisam estar bem arrumadas, elas podem vestir qualquer saco de batatas e uma havainas e desfilar, que as pessoas vão olhar para elas, por isso, nós que somos bonitas, estamos na classe das que podemos! Anda logo! _bati palmas.
Finalmente, minha amiga foi até o banheiro e se trancou lá. Eu suspirei de alívio, a metáfora do saco de batata era meu último recurso. Só houve uma pequena mudança de contexto. Não era bem em uma passarela que eu vestiria um saco, mas em uma cerimônia formal.
Retocamos a maquiagem e fomos esperar meus sogros no sofá da recepção. Ali sentamos e Débi me disse que não estava acreditando que eu poderia ter feito aquilo só para lhe dar apoio moral.
_Um dia eu estava muito mal em cima da cama e você foi me visitar na minha casa, lembra? Você me disse que eu não estava sozinha... Eu nunca vou esquecer._ falei-lhe.
_Nossa, assim, eu fico emocionada..._ ela riu, muito sensível também deixou os olhos marejados de lágrimas.
Nos levantamos, quando os pais de Caio se aproximaram. Vi uma garota com eles e mais um casal, que me pareceu pela semelhança seus pais. Meu coração praticamente parou, quando ela retirou os óculos escuros.
_Já conhece minha sobrinha?_ a mãe de Caio me apresentou a ex-namorada do meu atual namorado: sua prima.
_Não._ estendi a mão maquinalmente.
_Vamos?_ o pai de Caio sabia muito bem que aquele era o pior dos encontros e senti em seu olhar que não estava concordando muito com isso. Ao contrário de sua mulher, que era bem possível ter convidado de propósito aquela garota para me provocar.
A dita cuja da “ex” me olhou de baixo em cima e eu me senti uma mendiga de calça jeans. Fiquei tão constrangida, tão péssima, tão mal. Como podem essas convenções sociais nos deixarem tão, mas tão mal?
_Você está muito bonita, Débi. _ o pai de Caio me deu um abraço e aquilo doeu no meu ego, porque ele estava fazendo isso por pena, para eu não me sentir inferior.
_Obrigada._ limitei-me a sorrir.
No carro, Débi me pediu desculpas baixinho e eu não respondi, minha voz não saia.
Após estacionarmos, corremos para achar um lugar próximo ao portão. Meu salto atolou na grama úmida, eu fiquei toda suada, com sede. Uma droga. Mas tudo se amenizou, quando os portões se abriram e vimos os meninos marchando. Tudo tão perfeitinho. Aliiii, vi meu Caio e meu coração disparou de felicidade.
Uma jornalista da Globo de Resende filmou todo o discurso do General e foi tudo tão emocionante que será inesquecível para mim! Valera toda a pena ter feito tanto sacrifício para ver aquele belíssimo desfile. Depois, fomos até o teatro acompanhar uma palestra. E antes de entrar, eu achei o meu Caio na multidão de meninos. Nos abraçamos com força.
_Meu Deus, que saudade._ sorri-lhe e segurei sua mão com força. Contei-lhe rapidamente o motivo da calça jeans e ele pouco ligou. Achou engraçado.
_O importante é você estar aqui. Estou tão feliz.
_Eu também!_concordei.
_Oi, Caio._ ouvi uma voz atrás de mim.
_Oi... _Caio ficou muito surpreso, quando viu sua ex. _Você aqui?
_Não gostou? _ ela abriu os braços.
_Hum, legal. _ ele simplesmente balançou a cabeça e não a beijou, nem abraçou.
A raposa da minha sogra observava tudo da escada, mais na frente.
_Então, ta... _ ela voltou a ficar perto dos pais.
Caio tocou no meu rosto.
_Desculpe te fazer passar por isso, Bela.
_Eu sei que não foi culpa sua. _ dei de ombros.
_Você agora, e sempre foi, né, a mulher que eu amo.
_Que bom ouvir isso._ sorri radiante.
Ficamos ali nos olhando, loucos para nos agarrar de paixão, mas tínhamos que manter a postura e a distância que o lugar e a ocasião pediam.
Após a cerimônia, fomos almoçar em um restaurante muito grande, que servia churrasco e todo tipo de comida a quilo. Não lembro o nome, acho que o nome tinha algo a ver com “celeiro”. Em volta de uma enorme mesa, composta por muitas mesas juntas, começamos a conversar animadamente. Eu nem estava mais tão brava por causa da calça, nem da ex, nem da minha sogra. Só podia estar muito feliz com Caio segurando minha mão com força.
_Bela, o Caio já te contou a novidade? _ouvi a voz da minha sogra do outro lado da mesa.
Todos silenciaram.
_Não, ainda não..._ Caio a cortou, respondendo por mim.
_O quê?_ fiquei curiosa, mas pela cara de todos e principalmente de Caio, eu senti que não era uma noticia animadora._ O que não me contou? _ falei baixinho para que só ele me ouvisse. _ O que todo mundo sabe que eu não sei?

Nota1:Blog Novo da Bela

-----***-----

--->Participe: Comunidade do livro no orkut!

8 comentários:

mell disse...

aaii aaaii aaiii..
q novidade?
mtoooooooo curiosaa!
heeeheh
tah tudo taum lindoo...
coitada da belinha!
hsaushausauhsa
coragem a dela em ir de calça, meu deusssss :o
mas o importante eh q ela foi, e de cabeça bem erguidaa!
ehehehe

=*

Tita disse...

Pensamento meu quando li a parte em que a mãe de Caio chega com a sobrinha dela: "mas que vaca!"
auhauhha me perdoe Li, mas que mulher mais inconveniente!
Dá-lhe Bela! Mandou muito bem indo de calça jeans e ajudando a amiga!
Hmmm nem imagino que surpresa é essa!!
Curiosaaa!! Beijos

Lucy disse...

Ahhhhhhh li!!! Eu vou bater em vc!!!!! (rsss) agora vou ficar ansiosa o dia todo pela novidade!!! e ao fim de tudo, eu sei q vou acabar querendo bater em algum personagem! ¬¬

gente, a Bela está mudada mesmo... adorei isso!!! \o/

Lucy disse...

P.S.: ficou ótimo este capítulo, a forma como os acontecimentos surgiram e finalizaram tudo de maneira tão interessante! ;)))

Nathy disse...

Epa... perai! O que todo mundo sabe q ela não sabe não... pq eu tbm não sei de nada, hauauahauha!

Aiii curiosidade!!!

Bjoos!

Joy disse...

huahuahua
curiosa demaissssssssssssssss

Ana Paula disse...

aiai... o que ela vai saber agora e o que essa coisinha horrorosa da ex tinha que ir xeretar na formatura ???? fala sério heim!!!!

meninas, capitulo nono no romance militar Tão iguais e tão diferentes - um amor militar na maturidade

www.taoiguaisetaodiferentes.blogspot.com

feriele disse...

caraca q raiva...
nossa td deu errado o vestido da Debi depois acaba q ele resolve ser solidária td bem chato n ir poderosa...mais n ir poderosa com a ex dele estando lá é o fim...
que sogra maldita e q ex cara de pau tb...
e agora essa novidade ruim neh..pq c a sogra está tão animada eh pq a noticia eh ruim...
ai q curiosidade..ning merece..kkkk