11 de jun de 2007

Cap 27: Do outro lado

Trilha sonora da cena (clique aqui)


Eu estava um pouco confusa, por que eu podia ver o meu corpo, estando do lado de fora dele?

Vi os médicos correndo comigo na maca pelo corredor. Levaram-me para uma sala e começaram a tentar me salvar. Eu não sei bem explicar, mas podia vê-los como se eu estivesse no teto, olhando-os de cima.

_Esses jovens vivem correndo. _ a médica falou para a enfermeira, enquanto pegava uma gaze com uma grande pinça.

Se eu estava sendo costurada, como não sentia? Uma luz aproximou-se de mim e senti uma enorme paz. Não havia dor, não havia tristeza, apenas uma sensação de estar completa. Nunca eu pude experimentar semelhante prazer!

De repente, comecei a me dar conta de que eu estava morta. Então, como meu corpo ainda respirava? Isso não era muito claro para mim.

Levaram-me para um quarto e me deixaram de repouso. Eu não tinha bem uma forma física, eu simplesmente sentia que existia, mas de outra maneira, diferente da forma humana.

O quarto tinha duas paredes feitas de vidro da metade para cima, de modo que vi quando Caio chegou. Ele me viu através do vidro deitada na maca e seus olhos estavam cheios de lágrimas. Aproximei-me dele e senti vontade de poder tocá-lo.

Não queria que ele sofresse. Aquilo era muito angustiante. Mas Caio parecia não conseguir suportar bem a situação.

Permitiram que ele entrasse e ficasse sentado ao meu lado. Caio tocou na minha mão:

_Eu disse que sempre voltaria, lembra? _falou comigo.

A enfermeira olhou-o e sorriu com doçura.

_Ela está inconsciente, não pode te ouvir.

_Mas o espírito dela não está, ela de alguma forma pode me ouvir... _ ele argumentou e a mulher não contestou e saiu.

Caio voltou a me olhar com doçura, ele estava mais lindo que nunca. Os braços fortes pelos exercícios, o rosto magro e de barba feita. Usava uma camisa branca e uma calça jeans azul marinho. Eu sentira tanta falta daquela sua simplicidade.

Olhei para frente e vi um homem do outro lado da maca. Ele era idoso e me lembrou o senhor das fotos da casa da avó de Caio. Seria seu avô? O homem não parava de olhar para o neto.

Eu me senti responsável pela dor de Caio e gostaria de mudar isso. Ao mesmo tempo que não queria abandonar aquela maravilhosa sensação de felicidade plena. A luz de que eu havia falado ficava sempre perto de mim, ela tinha um calor acolhedor e me trazia uma energia maravilhosa.

_Bela, eu sinto tanto sua falta... _Caio começou a conversar comigo. _... Eu gostaria tanto de poder ser ao menos seu amigo como antes e te contar minhas coisas... _ ele abaixou o olhar. _ Eu não gosto da minha prima, como te amava. Ela é legal, mas não sinto aquela alegria enorme de estar com ela como sentia contigo.

Fiquei bem perto de Caio e sorri para ele.

_A minha mãe gosta muito dela, porque ela é uma garota muito direitinha, religiosa, recatada e fica sempre me dizendo que ela sim é um bom partido. Só que eu não tenho mais ninguém para me ouvir, para acreditar no que eu acredito, para dividir idéias comigo. Isso é tão vazio...

Gostaria de dizer a Caio que estava tudo bem, que não precisava se sentir culpado, pois eu não tinha mais raiva dele.

_Você é tão linda, está sempre nos meus sonhos. Daria tudo para poder te trazer de volta para mim.

Eu também quis ficar com ele de novo. Mas como?

Caio passou toda a tarde assim, falando comigo. Depois pegou um livro e abriu.

_Dizem que é bom ler para a pessoa aquilo que ela gostava de ler... _explicou-me. _Não me ache idiota... _ele riu.

Eu reconheci pela capa do livro que era aquele que eu mais gostava. Se chamava “O Retorno e Terno- Crônicas”, de Rubem Alves.

_ “Meu amor independe do que me fazes. Não cresce do que me dás. Se fosse assim ele flutuaria ao sabor dos teus gestos. Teria razões e explicações. Se um dia teus gestos de amante me faltassem, ele morreria como flor arrancada da terra”._ a voz doce de Caio me sussurrando aquelas belas palavras me trazia muita paz. _”Variações sobre a impossível pergunta: te amo, sim, mas não é bem a ti que eu amo. Amo uma outra coisa misteriosa, que não conheço, mas que me parece ver florescer no teu rosto. Eu te amo porque no teu corpo um outro objeto se revela. Teu corpo é lagoa encantada onde reflexos nadam como peixes fugidios...”

Caio era único e agora eu sabia que ninguém poderia substituí-lo, nem que eu fizesse muita força para me enganar. Ele tinha muitos defeitos, mas suas qualidades eram essenciais para mim.

Ele me fez companhia por toda a tarde e depois o cansaço o fez dormir. Ficava tão lindo naquela posição quieta e tranqüila. Tentei passar a mão em seus cabelos, mas não conseguia.

Lembrei-me de Gustavo e senti uma forte presença da luz novamente. Ela me levou até o quarto ao lado e vi meu caro amigo fotógrafo envolto em faixas. Ao lado da cama estava uma mulher de costas para mim. Caminhei em sua direção e reconheci a garota do quadro do quarto de Gustavo. Como ela chegara ali tão rápido? Pegara um avião?

Eles se seguravam pela mão e se amavam pelo olhar. Sorri e não senti ciúme, raiva, inveja ou qualquer sentimento ruim. Pelo contrário, me sentia bem em saber que finalmente tinham ficado juntos. Gustavo fora apenas uma etapa da minha vida. Mas nada poderia conter o seu amor pela mulher que tinha seu coração.

Novamente voltei para o meu quarto e encontrei meus pais conversando com Caio para que ele fosse para casa descansar.

Eu não queria que eles ficassem mal por mim.

A proximidade do Natal fez Caio trazer uma pequena árvore em miniatura e colocou-a ao lado da minha cama, junto com uma imagem da sagrada família. Ele não desacreditava que eu pudesse voltar.

Mas isso lhe trouxera problemas, como no dia em que sua namorada ligou perguntando se ele ficaria apenas comigo e esqueceria dela de vez. Caio devolveu somente o silêncio e seus olhos ficaram fixos no meu corpo sobre a cama.

_Tudo bem, eu já entendi tudo. Acho que eu não sou forte o bastante para competir com ela. Adeus, Caio. _ela disse e desligou.

Ele fechou o celular e ficou com ele preso na mão, apoiando o queixo, parecia “o Pensador” de Salvador Dali.

Naquela tarde quem viera me fazer uma visita fora a avó de Caio. Ela beijou a cabeça do neto e perguntou como estava.

_Estou bem. Vó, acha que ela pode voltar? _ perguntou.

_Caio, eu não sei se ela já havia cumprido a missão dela... _ a mulher suspirou e sentou-se também. _... Mas quando a gente tem fé, milagres podem acontecer... Só que se você ficar sofrendo, não vai deixá-la descansar em paz.

_Eu sei... _ ele respondeu com tristeza.

_Vamos rezar por ela? _ a mulher sugeriu.

_Claro. _ Caio aceitou e os dois pegaram nas minhas mãos, cada um de um lado.

_Bela, nós sabemos que você está aqui e pode nos ouvir. _ ela começou com uma voz maternal. _ A gente quer que você se sinta livre para decidir se deve descansar, ou se quer voltar. Nós ficaremos bem, qualquer que seja sua decisão.

Senti a calorosa presença da luz ao meu lado e perguntei para ela se eu poderia voltar. Não era com palavras humanas que eu me comunicava, estranho, não tem bem como explicar.

A avó de Caio disse que viera buscá-lo para levá-lo para a fazenda, porque ele estava muito fraco e precisava de um tempo. Ele cedeu e aceitou.


-----***-----

--->Participe: Comunidade do livro no orkut!

10 comentários:

Li disse...

Meninas,
Hoje amanheci bem melhor! Tive uma infecção intestinal por comer um queijo ralado com data de validade vencida. Tinha passado todo o dia vomitando. Nossa, nem água parava no meu estômago. Tomei injeção, desmaiei e fiquei inconsciente...
Nossa! Que coisa mais horrível!
Mas tomei um chá de casca de cebola com folha de louro e fiquei bem melhor...
Hoje, consegui sentar e escrever.
Nossa, obrigada pelas palavras de apoio!
Beijinhos da Li

Nathy disse...

Nossa, Li.. caramba eihn, foi serio mesmo... mais graças a Deus vc esta melhor, ufa!!

To chorando mto com o cap. de hj...
Quero mto eles dois juntos... é uma sensação tão boa!!

:~~

Bjoos!

Dayanne disse...

nossa Li.. que barra..
que bom que está melhor...

quero muito que a bella volte e fique com caio..
eu fico torcendo pro capitulo nao acabar, daí quando acaba entro um monte de vezes pra ver se já saiu o novo..rsrsrs..


na espera..


bjinhos Li

Li disse...

:) Lindas, obrigada pelo apoio!
Eu também acho muito bonito o amor de Caio e Bela.
É engraçado, mas parece que eles existem independente de mim, que doido...rs
Enfim, beijuuus

Quel disse...

Li!!!
Que bom que ta melhor!!
Ahhhh chorei demais aki lendo tb...hehehe
Muito lindo, da uma sensação boa ler isso, não sei explicar!!!
Se cuida viu!!!
Bjuss

Jéssi disse...

ai.... isso aqui ta lindo... naum vejo a hora deles volterem a ficar juntos...
hauhauhaua
parebens Li...
beijos meninas...

Nath disse...

Ainda bem que você já tá boa, amiga!

Mas continua se cuidando, viu?

Não gosto de tomar sustos!!!!

Hahahahahahahaha

AMANDO o livro!

=)

Beijão!

Elaine Cavalcanti: disse...

Ah, que ótimo que vc já melhorou! Não pude comentar ontem, então ia passa hj só para desejar melhoras e vi que vc já tinha melhorado...

Elaine Cavalcanti: disse...

Ah, agr com relação ao livro...
Ow, por favor.. não mata a bela nããão!! vai... kkkkkk!

mell disse...

LInda =*
q bom q tah melhor =)

nossa... chorei horrores aki!
hsauhsuahauhus
tudo taum perfeito.
tenho certeza q ela vai voltar \o/
o amor dela e de caio naum pode 'terminar' assim!
beijaoooo =*