21 de mai de 2007

Cap 7: Meu desejo mais primitivo

Eu não tenho nada de intenso sobre os flertes, os beijos sem dono, sem causa que tive nestes meses. Mas a ferida do rompimento com Caio lateja todos os dias para me punir e lembrar o quão idiota eu fui. Me pergunto se isso é algo que importa apenas a mim, já que ele pouco lutou pelo retorno de nossas amizades. A intimidade se reverteu em uma estranheza gélida e incômoda entre nós. Hoje, sei que fui eu a que menos deu valor ao ótimo relacionamento de coleguismo que tínhamos.

Isso ficou ainda mais evidente quando meu pai chegou da padaria essa manhã de domingo e contou quem encontrara:

_O pai do Caio estava todo feliz. _ falou para minha mãe, rasgando o saco de pão. _ A Isabela nem nos avisou. O Caio passou na prova. Aquela para a faculdade militar...

_Ele não é o pai do Caio._ consertei.

_Belinha, por que não disse para a gente?

“Porque nem eu sabia!”, respondi internamente, sentindo ainda o murro no estômago que fora aquela notícia. Agora era real, certo, ele iria embora para longe. Viraríamos inimigos eternos? Que cenário horrível para se lembrar.

Tomei meu celular, pus o orgulho de lado e arrisquei enviar uma mensagem:

_ “Posso te encontrar no lugar de sempre agora?”. _ ele sabia que o lugar de sempre era um rio muito bonito que ficava perto aqui de casa. Fazíamos o percurso até ele de bicicleta e costumávamos ver o pôr do sol lá. Tanto tempo que não realizávamos aquele passeio. Quem sabe seria o último?

O celular vibrou no meu colo, enquanto eu estava encolhida na cama.

_ “Te encontro lá daqui 15 minutos”. _ respondeu e eu senti um estranho frio na barriga.

Avisei aos meus pais que não iria com eles na casa da minha avó e antes que eles tentassem me convencer, coloquei a bicicleta para fora do apartamento e mandei um beijinho para eles.

Caio tinha dito 15 minutos, mas ele chegara muito antes. Sua casa era mais perto, pudera. Estava encostado na cerca, olhando o rio. O dia estava muito brilhante e fresco.

_Você sempre me vence e chega na frente. _ comentei tentando romper o silêncio e anunciar minha chegada.

Caio virou-se com as mãos no bolso da calça jeans. Usava uma camisa branca lisa. Ele era isso, a simplicidade no vestir, nos gestos, nas atitudes. Como ele se sentia agora em relação a mim, tão afastado. Querer que ele gostasse ainda de mim seria um ato vil de egoísmo e puro egocentrismo. Mas eu estranhamente desejei que ainda tivesse restado algo.

_É, Caio, eu te chamei aqui, porque queria te dizer algumas coisas...
_Estou ouvindo. _ ele me olhou nos olhos, dando dois passos a frente.

Com tanta proximidade eu não conseguiria raciocinar. Equilibrei minha bicicleta encostada na cerca da ponte do rio.

_Eu não fui muito certa com você e queria que a gente saísse de bem disso tudo, já que você vai embora...

_Sabe, Isabela, a sua amizade não me importa mais.

Engoli aquilo em seco. Como assim não importa mais?

_Porque eu simplesmente tive medo de te dizer o quanto era apaixonado por você... Isso levaria a gente a perder nossa amizade... Mas já perdemos não é mesmo? E agora, agora eu não aceito nada menos que a mesma potência de sentimentos.

Eu fiquei muda. Não era exatamente isso que eu esperava ouvir. Estava pronta para ele me dizer que não fora nada, que éramos amigos e tudo mais e Caio queria apenas que eu fosse apaixonada por ele?

_Sabe Isabela, você se deu de graça para tanta gente que não merecia nem um olhar seu e eu sempre esperei uma vez que nunca veio. _ confessou e comecei a sentir um nó na garganta, ele estava falando sério demais, se despindo de qualquer armadura ou defesa.

_Não fale assim, me faz me sentir uma qualquer... _ repliquei. _ Me ofende.

_Eu também me ofendi todas as vezes que fui ignorado. Agora, pouco importa. _ deu de ombros.

_O que quer que eu faça, Caio? Eu já dei o primeiro passo, eu estou aqui. Eu não sei bem o que sinto, eu sei que senti muita falta de ficar perto de você. Sonhei com você... _ minha voz começou a embargar. _ E do que importa definir o que sinto? _ ri e revirei os olhos. _ Você está indo embora, não é mesmo? _ encolhi os ombros, acuada.

Caio caminhou até mim, envolveu com um dos seus braços a minha cintura e falou muito perto do meu rosto:

_ Você é e sempre foi o meu desejo mais primitivo. _ com a outra mão afagou meus cabelos.

Eu beijei sua boca. Seus lábios deslizaram sobre os meus e nós sentimos uma experiência totalmente nova. Sua língua na minha, suas mãos me fazendo carinho. Era tão bom sentir o cheiro, o abraço e agora o beijo de Caio. Quando abri os olhos alguns minutos depois, eu já estava encostada na ponte e nem sabia como tinha vindo parar ali.

_Uau!_ ri, nervosa, aquilo tinha saído do nosso controle.
_Você é tão bobinha. _ colocou meu cabelo atrás da orelha, meus braços ainda estavam ao redor do seu pescoço. _ Como pensou que eu podia ter raiva de você?
_ Sei lá..._ dei de ombros.
_Eu não vou, e nem posso, te pedir nada em troca, já que as coisas estão acontecendo agora, assim... Mas só queria ter certeza que...
_Foi muito bom... _ completei colocando os dedos na boca dele. Era óbvio que eu não o beijara por pena.
_É foi..._ sorriu e me beijou outra vez.
Eu sabia que aquele dia iria acabar, mas enquanto eu estivesse experimentando os beijos de Caio eu tentaria acreditar que não acabaria nunca.

13 comentários:

Dayanne disse...

nossa!! to viciada.. entro todos os dias.. serio..to amando...
parabens li..
bjinhos

feriele disse...

tb viciei..finalmente eles ficaram..n queria q eles parassem..afinal ele n tem muito tempo p aproveitar neh.ele está indo embora..e nós como ning sabemos de como esse restinho de tempo é importante...rs..bjs meninas..t+

Tita disse...

Aaai que vontade de chorar!
To adoraaando!
Bjoo

Quel disse...

Ah...Li, vc me viciou nisso aqui tb!!!hehehehehe...Entro todo dia anciosa pra ler o resto! hehehe
ADORANDO demais..
Parabéns!
Bjuss

joy disse...

amandoooooooooooooooooooooooooooooo

Ana Paula disse...

Liiiiii!!!!! quer me fazer chorar mulher ?????!!!!!! senti em mim aquele gostinho amargo de restinho de tempo que a gente tem do lado de quem a gente gosta!!! aqueles minutinhos que a gente não quer que acabe nunca!!!! simplesmente demais amiga!!!!!

Luma disse...

nossa meninas eu tb vicieii nessa novelinha logo eu q nao gosto muito de novelas virtuais hehe... tô viciada...fico ansiosa pelo proximo capitulo...

agora só espero de verdade que ela entenda e que nao fuja do que estah sentindo ...

ai ai esse restinho de tempo do lado de quem a gente ama eh meio amargo :(

Li disse...

Oi, minhas leitoras amadas!
Não percam os próximos capítulos, está cada vez melhor.
Beijusss!!!

Jéssica Daiane disse...

Nossa Li... ta muito bom isso..
a historia ta super involvente...
to amando...
beijos

fernanda disse...

muito legal msm..cada dia mais apaixonada

Lucy** disse...

Comentário que a Lucy enviou por e-mail:

"ELES BEIJARAM-SEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
*pulando e gritando*

Eu estou em um pc bloqueado para blogs, não posso comentar!!! Mas eu TENHO que gritar!!!! \o/
LINDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
AAAAAAAAAAAAAAhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! \o/

*estou incontrolável*"

Anônimo disse...

Ai, Li!!! obrigada por mandar meu comentário!!! Eu sabia q vc faria isso por mim!!! bjo grande grande grande!!!!!!! \o/

*ainda estérica*

mell disse...

aai.. q coisa linda!
assim como tdas q comentaram aqui falaram, to viciadaaaa \o/
estava torcendo por esse beijo =)

mais uma vez, parabens li!
a 'novela' estah maravilhosa e apaixonante! =*