16 de mai de 2007

Cap 5: Isso não tem nada a ver com você

Estudar com Caio em sua casa virara uma rotina e era o mínimo que eu poderia fazer para retribuir todas as noites de sono interrompidas para me tirar dúvidas. Aos poucos, até eu comecei a torcer para que tudo resultasse na tão sonhada aprovação no concurso, mesmo que torcer fosse jogar contra mim.

No anoitecer desta quinta-feira, Caio demorou mais que o costume para chegar do cursinho. Comentei com sua mãe que talvez eu é que tivesse me adiantado muito.

_Não, não, é esse trânsito, minha filha. _ ela desculpou-se pelo filho.

Estávamos sentadas na aconchegante sala de piso de madeira. O sofá coberto por uma manta vermelho era tão confortável que parecia uma cama. Aliás, toda aquela casa me trazia uma deliciosa sensação de segurança. Os porta-retratos em cima do bufê, as flores, um cheiro bom de lar doce lar.

_Hoje, eu tenho que sair mais cedo. _ olhei o relógio. _ vim só para dar uma revisão com o Caio, ele terá simulado amanhã e me pediu...

_Você tem compromisso? Pode ir que eu falo com ele...

_É uma festa à fantasia, aniversário da minha amiga Débora. Sabe se o Caio vai? Não né?_ me toquei que ele tinha o simulado, não deixaria de estudar para ir.

_Acho que não. Mas por que você não chama ele para ir junto?

_É... Não sei... _ me senti constrangida.

_Você sabe que as pessoas nunca mais voltam a ser o que eram? _ ela pôs sua mão levemente enrugada sobre a minha, estava quente pelo contato com a xícara de café.

_Por que a senhora está falando isso para mim?_ perguntei, com medo do rumo daquela conversa esquisita.

_Esse menino que vai, não vai voltar igual... Vai mudar muito... _ ela profetizou.

_Ele já está mudando bastante, tomando atitudes que eu não reconheço mais, até comigo ele tá diferente. _ tomei a liberdade de pensar alto e acabei comentando sobre meu incômodo com a mãe de Caio.

_Eu tenho uma parcela de culpa nisso... _ ela abaixou a cabeça e mexeu o café com a colherzinha lentamente em movimentos circulares.

_A senhora?_ franzi a testa.

_É. Eu tive que falar umas verdades para o Caio. Eu tenho que ser o pai e a mãe dele. Não me sentia nunca tão à vontade assim para me meter na vida particular dele... _ ela deu de ombros e suspirou. _ Mas como mãe eu tinha que alertá-lo...

_Alertá-lo...?_ fiz uma reticência para ver se ela desembuchava logo, antes que Caio abrisse a porta e interrompesse aquela revelação.

_O Caio sempre gostou muito de uma moça. _ Ela alongou o “u” do muito, carregando exacerbadamente de dramatização a sua versão dos fatos. _ E vi meu filho entrar por essa porta cabisbaixo várias vezes, se sentindo o cão mais renegado do mundo. _ cerrou os olhos com raiva das lembranças que lhe vinham à cabeça. _ Para uma mãe não tem dor maior que não poder impedir a dor do próprio filho... _ apontou o dedo para mim, enquanto mostrava com uma careta sua apreensão. _ Certa noite eu lhe disse: Filho, você terá que escolher ou se refaz um novo homem e abdica desse amor, se liberta dessa doença entoxicante, ou você vai entrar na pior das depressões e se tornar um nada...

Meu coração acelerou e os pêlos da minha nuca se arrepiaram. A voz dela era tão envolvente, que a vi como uma bruxa de filmes infantis se fazendo de boazinha.

_Essa moça nunca o mereceu. Mas uma mãe suporta qualquer coisa pelo pedido do seu filho. E ele me pediu para respeitar seus sentimentos calada... E assim eu faço... _ ela me olhou profundamente nos olhos.

Meu Deus, eu queria correr, me atirar pela janela e sair voando até a minha casa, ir até o banheiro e vomitar, sei lá, mas meu corpo não se mexia.

Caio abriu a porta e eu despertei da inércia. Não pensei em educação, em boas maneiras, em nada. Só puxei a minha bolsa e tentei pronunciar qualquer desculpa:

_Eu... Eu não tô me sentindo bem... _ minhas lágrimas vieram aos olhos e minha voz embargou, eu era péssima para mentir, estando fora do controle.

_Que houve? _Caio olhou para sua mãe e percebeu que ela tinha algo que ver com isso.

Eles poderiam se matar, brigarem, eu só queria a porta da rua. Caio jogou a mochila na sala e veio atrás de mim, atravessando o pequeno jardim correndo.

_Espera! Eu disse espera... _ ele me pegou pelos dois braços e nunca pensei que pudesse ser tão forte.

_Me deixa, me deixa.

_Não!_ recusou-se. _ O que ela falou para você, Isabela?!

_Que você estava indo por causa de uma moça, e que essa moça te fazia mergulhar em um sentimento entoxicante... _ falei coisa com coisa, desnorteada.

_Hei! Hei! _ ele tentou me fazer calar. _ Esquece o que minha mãe falou, ela fica viajando, vendo coisa onde não tem... Ihhh nem liga! _ ele me forçou a abraçá-lo.

_Caio, você está indo por causa de mim? Você está indo para se ver livre de mim? Se você quiser, eu posso ficar longe, eu posso não falar mais com você. Eu posso te fazer esse sacrifício... Eu posso.

_Pára! _ gritou e levantou as duas mãos._Bela, estou fazendo isso por mim, entendeu. Agora é por mim.

_Tudo bem... _ limpei o rosto com as costas das mãos, respirei fundo e sai.

Eu estava agora terrivelmente confusa. Tudo embaralhado na minha cabeça.

Passei pela sala da minha casa, onde todos assistiam ao RJTV e jantavam, sem dar uma palavra.

_Ué? Você não ia ficar lá para estudar? _ minha mãe perguntou.

_Ia. _ respondi e fechei a porta do meu quarto na chave, não queria ver ninguém, falar com ninguém.

Fiquei deitada na cama por meia hora olhando o teto. Lembrei da festa. Deus, a Débi não vai me perdoar se não for. Sentei e olhei para o computador. Me arrastei até a cadeira e conectei o msn torcendo para ela estar online...

Como eu não queria, quem primeiro veio falar comigo foi Caio.

_ Tá melhor?
_Humhum_ respondi.
_Estava vendo aqui a tradução de uma música. _ comentou comigo._ Aquela que odeio.
_Hum.
_ “Espero que você saiba, espero que você saiba
Que isso não tem nada a ver com você
Isso é pessoal, eu mesmo e eu.
Nós temos que ajeitar algumas coisas ...
E eu sentirei sua falta como uma criança sente falta de seu cobertor
Mas eu tenho que seguir em frente com a minha vida
Chegou a hora de ser um garoto grande”.


Caio trocara as frases no feminino para o masculino da música Big Girls Don’t Cry. Ele era apaixonado por mim, era claro agora. E sua mãe me odiava, sempre me detestou! Eu vira isso em seus olhos, hoje.

_Caio, preciso sair, desculpe. _ desconectei.

Pelo que eu o conhecia, ele deve ter ficado muito irritado com isso, chutado alguma cadeira. O imaginei em seu quarto, sem camisa, ainda com a calça jeans caindo da cintura, a cabeça raspada. Não! Por que estou imaginando essas coisas?

Autora: Li

12 comentários:

feriele disse...

finalmente pelo - agora ela sabe q ele he louk por ela..agora ela soh tem q c tocar q sente o msm por ele neh..rs...
bjs li..to amando e boa sorte no dentista...

Li disse...

oi fe! Já marquei uma cirurgia, a coisa é mais séria... Meus cizos estão enterrados...
Mas enfim, mudando esse papo de dentista, rs.
Que bom que está gostando da história!!!
Beijinhos para vocês!!!

Luma disse...

gente parei e li tudo hj...tô amando..mas essa belinha tb heinnn... se eu fosse ela jah teria tascado um beijo qdo ele foi atrás dela... mas tadinha ela tah mega confusaaaa

Li to amandoooooooo
vou ler sempreeeee.... todos os capitulos... voce vai postar diariamente?

beijossss

Natalie disse...

Li, que coisa mais liiinda!

A história está perfeita!

Vc conseguiu me emocionar e me inspirar!

Amei!

Vou vir sempre aqui comentar!

xP~

Beijos e parabéns pelo trabalho!

titta_* disse...

aaaaaaahhhhhh tou adorando!!
mto mto mto...

mas essa história toda de prep e despedidas ta me dando uma saudade do meu amor ¬¬ lembrei de qdo foi a 1ªvez dele ir! o.O

a Belinha e o Caio são apaixonantes,Li!

bjo =****

Lucy disse...

Uau!!! Emocionante esse capítulo!!!!!!!! \o/
Tá lindo mesmo!!! aiaiaiaiaiaiaia!!! *emocionada demais*
Ele é um cara apaixonante e ela, uma garota mto alienada dos próprios sentimentos!!! ai caramba... fico pensando q se ela demorar mto a perceber, vai sentir uma dor tão grande qd ele se for... aquela do tipo "eu podia ter percebido isso antes, agora ele está indo embora e será mais difícil"... e etc. bom, mas vamos deixar q os personagens encontrem seus caminhos no tempo deles. hehehe... =)

Jana disse...

oi Eliane,

quanta coisa acontecendo ao mesmo tempo.. e agora? será que ele vai mesmo com ela sabendo o que ele sente?? bjs

ana paula disse...

e agora ???? ela já sabe que ele gosta dela!! o que vai acontecer ????

Tita disse...

Liii Como isso tá legal!!! To AMANDO a história!! D+ mesmo!
Qdo que sai o próximo capítulo? :P hehehe bjooo continua que tá super legal!

joy disse...

kd o outro??? ;o

bjaummmmmmmmmmmmmmmmm

Nath disse...

Tá demais, Li!!!!!

Tô adorando!

:)

Beijo!

mell disse...

nossaa.. tah taum linda a historia!
mto apaixonante (L)

parabens li =*