15 de mai de 2007

Cap 4: Um estranho no espelho

Eu comecei a malhar desde que percebi que o pré-vestibular é o caminho certo para o meu formato cilíndrico. Nem pensar, todo dia eu queimava cada pão em cima da esteira em busca de uma barriga côncova (para dentro, claro). Além do mais, eu podia me encontrar com algumas amigas, uns gatinhos e fazer uma galera que não falasse de provas, nem me pedisse as certezas sobre o futuro que meus pais demandavam de mim. Mas definidamente nunca imaginei que neste seleto grupo poderia se incluir o Caio. Pois já não me assusto mais com nada.

Estava eu entre uma série e outra para glúteo, quando o vi entrar pela porta principal e virar a roleta. O susto que tomei me fez largar o peso, que bateu nos outros, num estrondo que chamou a atenção de algumas pessoas e principalmente, dele:

_Oi. _ sorri e fiz um aceno com a mão, pensei que ele viesse até mim e me beijasse, mas não, deu apenas um movimento de cabeça e foi para esteira aquecer, de costas para mim. Aquilo mexeu um pouco com o meu ego.

Será que ele estava chateado comigo? Também pudera, né? Eu peguei tanto no seu pé para saber qual sua motivação em se mudar para outro estado.

_Está levando mesmo a sério isso, hen?_ falei pelas costas e ele me olhou através do espelho. Estávamos fazendo um exercício em aparelhos próximos._ Tudo isso é para pegar condicionamento físico?_ Fiz um ar de admiração e levantei as sobrancelhas. _ Espcex: Escola Preparatória de Cadetes do Exército. _ falei bem pausadamente, descansando meus braços._ Eu entrei no site ontem para poder entender melhor... _ revelei.

_Entrou é? _ ele virou-se de frente para mim e me deu total atenção. Seu rosto estava mais ossudo e seus braços mais torneados. Eu nem havia percebido a mudança antes. _ Ainda está pronta a me dizer as 10 coisas que me impedem de ir?_ ironizou.

_Não, você pode ir..._ dei de ombros.

_Você não vai sentir falta... _ ele riu, como se realmente aquilo tudo fosse uma piada para mim.

_É, não vou mesmo._ virei as costas e fui prender alguns pesos na perna para fazer minha série.

_Hei..._ ouvi alguém do meu lado alguns minutos depois. Tomei um susto e me virei, o rosto de Caio estava quase colado na minha bochecha, ele se inclinara para dizer no meu ouvido. _ Eu vou, mas eu volto...

Olhei-o dentro das suas pupilas negras e não o reconheci, ele era outro, completamente outro, oculto.

Virou a garrafa de água na boca e sem olhar para trás, caminhou a passos firmes para a saída e se foi. Sem me perguntar se eu queria carona, sem querer conversar. Por que ele não me dava mais atenção? Desse jeito eu acabaria tomando nojo dele! Caio não precisa mais de mim, é? Então, ta, ele ia ver só! Munida deste rancor infantil, mentalizei qualquer planinho diabólico para colocá-lo no seu devido lugar. Antes de chegar a uma fórmula final, o meu celular toca:

_Oi, Bela, to precisando de você. _ era Caio, com a voz mais displicente do mundo.
_Tá nada._ mostrei meu desagravo.
_Tô sim e deixa de pirraça. Para que o charme?
_Eu estou ocupada. _desconversei.
_Mentira! Você deve estar dentro do banheiro se enchendo de creme.
_Como sabe?
_Pelo eco que sua voz está fazendo. E esqueceu que sou seu amigo faz um bocado de anos?
_É você que anda esquecido disso.
_Bela, você sabia que eu te amo?
_Ãnh?
_É, te amo como você mesma diz, como amigo-irmão.
_Hum, sei não._ duvidei.
_Olha só, eu to precisando de um reforço em física, vai me ajudar ou não?
_Tá, como vai ser isso?
_Vem pra cá, ou eu vou para aí?
_Não sei...
_Vem para cá, senão vou jogar muito vídeo-game com seu irmão, nosso índice de vício está preocupante, o Ministério da Saúde daqui a pouco vai colocar uma placa no nosso peito “em caso de suspeita de overdose, consulte um médico”. _riu.
_Tá._ concordei, sem rir da sua piadinha, ele ainda não se dera conta de como eu estava me sentindo estranha em relação a nós._ Vou lanchar primeiro. _anunciei e desliguei o telefone.

***

Como sempre, fui muito bem atendida por dona Fabíola, mãe de Caio, que já preparara antes de eu chegar um lanchinho cheio de bolo, suco, biscoitinhos e tudo de guloseimas irrecusáveis. Eu teria que malhar brutalmente para perder aquilo, mas não poderia fazer desfeita e dizer que havia comido em casa. Segui seu pedido e sentei-me à mesa com ela, enquanto Caio não viera responder seu grito de que eu já havia chegado.

_Você vai se assustar, prefiro não te contar... _ ela sorriu. _ Bate lá na porta, vê o que ele tá metido a fazer... que não vem._ aconselhou-me._ Você é de casa, menina.

_Vou lá mesmo. _ Peguei minha mochila e roubei um último biscoitinho amanteigado com recheio de doce de leite, ai que doce pecado, por que tudo que é gostoso engorda?

_Caio, abre essa porta!_ pedi, dando umas pancadinhas. Ele abriu e o que vi fez me entalar com o biscoito.

_Bela, você está bem? _ Ele me deu umas pancadinhas nas costas, visto que eu não parava de tossir. _ Mãe, traz alguma coisa para ela beber._ ele deu um berro e prontamente veio a mãe com um copão de suco.
Eu bebi e tentei limpar minha garganta. Por fim, passei as costas das mãos nos olhos lacrimejantes de tanto fazer força para tossir.

_Desculpa, gente..._ fiquei constrangida.

_Tudo bem, eu não sabia que eu era tão feio, agora já posso pedir um psicólogo para minha mãe. Mãe, telefona lá para clínica, estou com trauma._ ele piscou o olho e dona Fabíola se foi pelo corredor com o copo, depois de eu convencê-la de que estava bem.

_O que você fez? _ perguntei.

_Mais tempo ou menos tempo eu teria que fazer isso... _ ele passou a mão na cabeça raspada.

_Você cortou agora de noite?

_É. Me deu vontade de me ver no espelho..._ ele disse e só aí me dei conta de que ele estava buscando um outro no próprio espelho. Raríssimas vezes eu o pegara sem camisa, como agora. Com a cueca aparecendo na beirada da calça jeans, estranhamente sexy.

_Então, vamos estudar?_ ele abriu a porta do quarto e senti seu cheiro de perfume, a toalha branca molhada em cima da cadeira do computador mostrava que ele tomara banho fazia pouco tempo. _Vamos?_ Caio levantou as sobrancelhas, se dando conta de que eu estava feito uma estatua parada no meio do quarto. _Que foi? Você conhece bem a minha cama! No bom sentido, né? _ revirou os olhos.

_É._ sentei-me e ele se sentou no chão, apoiado na cama. Pelo piso vários livros espalhados, apostilas, provas...

_Estou com dúvida nisso aqui..._ ele me apontou com o lápis... _ Que foi?

_Nada... _Balancei a cabeça para os lados. _ Só não estou acostumada com seu novo Look._ arregalei os olhos, engoli em seco e me concentrei no que ele estava tentando me perguntar.

Autora: Li

9 comentários:

Li (Autora) disse...

Leitoras, queridas! Obrigada por terem observado que eu postara o número errado do capítulo! Consertei já.

E aí? O que estão achando dos personagens? Alguns palpites de como essa estória vai se desenrolar?



Beijuuuss, da Li

Ana Paula disse...

ai! o que eu posso dizer ? já viciei... ta ficando muito linda essa história!!! sem sugestões... segue seu coração... to amando isso aki!!!

Juliana disse...

A tanto tempo eu nao ficava tao entusiasmada e curiosa com algo..rss
To amandooo...
Na parte do raspar a cabeça, poxaaa... me vi na personagem...
Meu amor com o cabelo enorme, talvez no msm comprimento do meu... me apareceu sem mais nenhum fio na cabeça.... Eh de ficar paralisada msm...

Bjinhoss Li

joy disse...

amandooooooooooooooooooooooooo

Li (autora) disse...

Meninas, obrigada por estarem gostando.
Vai ficar muito gostosa a estória, esperem hen!!!
Aguardo vcs amanhã.

feriele disse...

nossa to amando...entro td hora..querendo q seja mais de um capitulo por dia...AUIhaiHAIha.. e fico assim..poxa beija logo..admite q gosta dele..fica ai de doce..depois ele vai embora...kkkkkkkkk
fico aki conversando com os personagens irritadissima de como são enrolados...kkk
to amando msm..bjs

Li disse...

hahaha fezinha lindona!!!!!!!!
Fico feliz.
To aqui morrendo de dor de dente, amanhã vou tirar meu cizo, então, não vou demorar, escreverei ainda hoje. Vai que amanhã não consigo?
Vcs me matam né? rsrs

Lucy disse...

\o/ aiaiai!!! Não passei pela fase de espanto com o visual pq já o conheci dentro dos padrões militares... mas essa questão de "EsPCEX: Escola..." e olhar na internet e ver o q era... hehehe, isso sim, eu tb fiz! _o/ Eu confesso... hahahahaha

*emocionada*

Rafaella disse...

nossa, to amando o seu livro ! e realmente quando eles raspam a cabeça da um baque muito forte na gente ! mais é muiito bom, só de saber que eles vão fazer o que realente eles querem ... vou continuar lendo =] Beijos !